Blocos intertravados produzidos a partir de rejeitos

Blocos intertravados produzidos a partir de rejeitos

Aproveitamento de rejeitos

Desde 2005, a Samarco estuda formas e desenvolve alternativas para o aproveitamento dos rejeitos provenientes do beneficiamento do minério de ferro. Atualmente, esse tema é um dos pilares estratégicos da estratégia de retorno das operações da Samarco.

Veja, abaixo, como acontece a geração dos rejeitos (lama e arenoso) da Samarco:

 

 

grafico-grande

 

 

Aplicações do rejeito de minério

 

O rejeito é o que sobra do processo de beneficiamento do minério de ferro e é composto por minério de ferro, areia e água. Ele não é tóxico, corrosivo ou inflamável.

A Samarco produz dois tipos de rejeito: arenoso e lama. De acordo com suas características químicas e físicas, estes rejeitos se tornam matéria-prima para outros setores produtivos.

Como destino do rejeito, pode-se ter a produção de ladrilhos hidráulicos, blocos pré moldados, artefatos cerâmicos, sais férricos, dentre outros produtos.

 

 

grafico-grande2

 
 

 
 

bloco-intervalado

Bloco Intervalado

Em 2013 e 2014 foram utilizados blocos feitos com 30% de rejeito arenoso de Samarco em calçamento do bairro Porto Grande, em Guarapari (ES), e, também, nas unidades industriais da empresa.

 
 

 

 

madeira-plastica

Madeira Plástica

A aplicação de produtos feitos com lama de rejeito está presente nas unidades da Samarco com bancos de madeira plástica. A lama foi usada como pigmento que, por ser inorgânico, é considerado mais durável para das coloração às madeiras produzidas com aparas de plástico e fibras vegetais.

 
 

 

 

Projetos que apoiamos

Desafio minerALL

 

O Desafio minerALL é uma iniciativa da Samarco em parceria com a aceleradora Neo Ventures e com o apoio da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP), Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia INCT MIDAS e do Centro de Desenvolvimento da Tecnologia Nuclear (CDTN). Lançado em 2018, o objetivo da primeira edição do Desafio foi transformar as diversas tecnologias de aproveitamento de rejeitos em oportunidades de negócios.

A primeira edição do Desafio teve como foco exclusivo o aproveitamento dos rejeitos (arenoso e lama) da Samarco em outros setores industriais, a partir da pré-aceleração de tecnologias para as quais os participantes deveriam realizar estudos de viabilidade técnica, socioambiental e econômica apoiados em metodologia, mentorias, treinamentos e interações com profissionais reconhecidos.

Além de repensar o aproveitamento de rejeitos, o desafio também tem como objetivo apoiar a diversificação econômica dos municípios de Ouro Preto e Mariana e o fortalecimento do ecossistema de inovação e empreendedorismo, com foco em soluções com impacto socioambiental.

Confira, abaixo, os principais números do Desafio e o vídeo da iniciativa:

 

 

Inscrições

 
 

grafico-grande3

 
 

 

 
 

Mining Hub

 

Lançado em janeiro de 2019, o  Mining Hub é o primeiro hub de mineração do mundo e foi criado para ser um canal direto para inovação, projetos sociais, tendências do setor e relacionamento entre mineradoras e startups. Situado no prédio da WeWork em Belo Horizonte (MG), o Mining Hub é um ambiente feito para gerar oportunidades e conexões  com fornecedores, startups, pesquisadores ou investidores interessados no setor da mineração.
 

Uma das principais iniciativas do hub é o M-Start, um programa com o objetivo de conectar iniciativas inovadoras às mineradoras credenciadas, como a Samarco, para o desenvolvimento soluções com várias temáticas, como eficiência operacional, fontes de energia alternativa, gestão de água, gestão de resíduos e segurança. Com duração de 4 meses, o programa avalia a aplicabilidade das iniciativas e realiza uma prova de conceito com cada uma delas, para demonstrar a possibilidade de implementação.

 

 

BeGreen

 

Em 2017, a Samarco fez parceria com a BeGreen, a primeira fazenda urbana da América Latina localizada no Boulevard Shopping, em Belo Horizonte.

Para a produção de blocos intertravados, usados no piso da fazenda, foi utilizado rejeito arenoso da Samarco. Tecnicamente os blocos trazem a mesma segurança e durabilidade de um bloco feito somente com areia e brita, além de ser mais ecológico. A Uni-Stein foi a responsável pela fabricação dos blocos usados na pavimentação do local.

A Samarco também forneceu lama para a produção de madeiras plásticas, usadas na fabricação de decks, mesas e cadeiras do espaço. As peças foram fabricadas pela empresa Ecoblock, que, como a Uni-Stein, participa desta iniciativa com a Samarco.

Veja mais no vídeo abaixo: