Pelotas, Pátio de Estocagem de Ubu - 2014

Pelotas, Pátio de Estocagem de Ubu - 2014

A Samarco

Fundada em 1977, a Samarco é uma empresa de capital fechado que atua no segmento de mineração. Seu principal produto são as pelotas de minério de ferro comercializadas para a indústria siderúrgica de países das Américas, do Oriente Médio, da Ásia e Europa.

Com 40 anos de história no setor mineral brasileiro, a empresa possui duas unidades operacionais: Germano, em Mariana e Ouro Preto (MG), onde era realizada a extração e o beneficiamento de minério de ferro em três concentradores, e Ubu, em Anchieta (ES), onde estão quatro usinas de pelotização. As unidades são interligadas por três minerodutos de 400 quilômetros de extensão, que atravessam 25 municípios dos dois estados.

Em 2015, ano em que a Samarco paralisou suas operações, foram produzidas 24,9 milhões de toneladas, sendo 97% em pelotas e 3% em finos de minério de ferro. Naquele ano, a companhia foi a 12ª maior exportadora do Brasil, faturou R$ 6,5 bilhões e gerou cerca de 6 mil empregos diretos e indiretos.

Ao longo da sua trajetória, a empresa sempre prezou por honrar seus compromissos com a sociedade e com o meio ambiente e essa conduta permanece até hoje. É por esse motivo que a Empresa afirma a sua consternação com o rompimento da barragem de Fundão, no município de Mariana, em novembro de 2015.

O rompimento da barragem de Fundão

O rompimento da barragem, em 5 de novembro de 2015, causou danos ambientais, impactando famílias da região e de outras localidades ao longo do Rio Doce. Pedimos desculpas pelos danos causados às comunidades e à sociedade e sabemos que todas as nossas ações não irão devolver as vidas perdidas.

Desde o primeiro dia após o acontecimento, a Samarco colocou em prática ações para dar assistência às pessoas envolvidas e para reparar os danos ao meio ambiente. Para firmar seu compromisso com a recuperação social, ambiental e econômica das regiões impactadas, a Samarco, juntamente com as suas acionistas Vale S.A. e BHP Billiton Brasil Ltda., assinou um Termo de Transação e de Ajustamento de Conduta (TTAC) em março de 2016 com os governos federal e dos Estados de Minas Gerais e do Espírito Santo. O TTAC previu a criação de uma fundação para reparar e remediar os impactos do rompimento. Desde agosto, a Fundação Renova atua no desenvolvimento dos 42 programas de reparação e compensação, previstos no TTAC.

Após as ações emergenciais, desenvolvidas ao longo de 2016, a empresa busca autorizações para voltar a operar. Um novo sistema de disposição de rejeitos utilizando a cava de Alegria Sul, em processo de licenciamento no órgão ambiental responsável, é um passo importante do planejamento operacional da Samarco e está em validação dos órgãos ambientais. Além do licenciamento, está em curso o processo do Licenciamento Operacional Corretivo (LOC), junto à SEMAD, para assegurar a viabilidade ambiental do empreendimento e que irá integrar em uma única licença todas as estruturas existentes no Complexo de Germano.

Desde novembro de 2015, até outubro de 2017, foram desembolsados R$ 2,8 bilhões nas ações de reparação e compensação, que foram assumidas pela Fundação Renova em agosto de 2016.

Retomada operacional da Samarco

A Samarco precisa de duas licenças para voltar a operar: a primeira, referente a um novo local para a disposição de rejeitos (Cava de Alegria Sul); e a segunda, relativa ao Licenciamento Operacional Corretivo (LOC) do Complexo de Germano, localizado em Mariana e Ouro Preto (MG). A empresa está empenhada em cumprir todas as etapas desses processos de licenciamentos, que incorporam novas soluções no tratamento de rejeitos, com aumento da segurança e da recirculação da água no processo produtivo.

Além da obtenção das licenças (SDR Cava de Alegria Sul e LOC), também será preciso realizar obras de preparação na Cava de Alegria Sul e de implantação para os novos processos de tratamento de rejeitos.

Ainda não há previsão para a data de retorno das operações industriais da Samarco.

Clique aqui e saiba mais sobre o que é preciso para a Samarco voltar a operar.